quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SIN IS SINCERE.



-O Marilyn Manson fez pacto com o demônio pra conseguir tudo o que ele tem hoje.
-Você quer dizer a fama?
-É.
-Uns podem dizer que isso é só talento.
-Não, ele fez.
-Ele foi esperto pra sacar como entrar nesse negócio de mundo pop.
-E fez o pacto também.
-O cara é famoso e podre de rico. E comeu a Stoya. Então, tá aproveitando essa estadia.
-Ele comeu a Stoya?
-Diversas vezes.
-Caralho! Total respeito.
-Total respeito e admiração.
-Se tu fosse vender tua alma, seria pra comer quem?
-A Sasha. A Sasha, a Stoya e a Asa Akira.
-Quer nada né, meu fí?!
-Minha alma porra! É eterna e vale muito. Eu sou fraquinho. Minha alma também é, eu sinto. Mas é eterna. Vale algo. E tu?
-Não sei, só queria ficar rico.
-Eu também. Muito rico. E comer a Sasha, a Asa e a Stoya. Quem sabe a Alexis Texas também. A Dani Daniels.
-A Dani Daniels tem um puta rabo.
-Incrível. Lindo. Perfeito.
-Mas tu queria demais.
-Eu tenho esse problema. Eu quero demais. Por isso não tenho nada. E além do mais eu tenho essa doença, quero comer todas as mulheres do mundo.


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

NO PORNÔ DOS OUTROS É REFRESCO.



Pornografia já foi um meio muito lucrativo de ganhar dinheiro. Com a internet ela sentiu o peso da pirataria. Porque comprar um filme se pode assistir 10 online? Também os diversos sites somente com vídeos caseiros, amadores, ajudaram a quebrar uma indústria que um dia foi fortíssima.



De repente as pessoas se tocaram do óbvio; é possível se excitar vendo gente normal, com peito caído, pau pequeno, bunda com estria, barriga. E lá se foi uma indústria inteira sentir o peso da queda. Atores, diretores, perdendo grana, emprego.




Mais muita gente continua tentando seguir em frente no meio. Ao que tudo indica, você tem que ter feito um nome, e continuar com ele. Nos Estados Unidos, atrizes como Asa Akira, Alexis Texas continuam ganhando grana com seus corpos e nomes, fazendo strip em casas de shows, e filmes esporádicos.






Não muito diferente daqui. No Brasil a Brasileirinhas, que um dia foi a maior produtora de filmes adultos do país, quase chegou a fechar suas portas, conseguindo hoje em dia ainda se manter com programação online para pagantes no site, com realitys e uma aproximação maior com o público que paga. Aqui nomes como Monica Mattos saíram fora, ganham grana com shows, assim como estrelas americanas. Ainda existem os que seguem, como o lendário Kid Bengala, Roge Ferro, que tentam se manter com seus sites próprios, vendendo produtos com suas marcas, e ainda com filmes.





Tava revendo esse curta documentário “O Pornô dos Outros”, escrito e dirigido por Pedro Gaspar. Nele, atores que fizeram história no meio como Rogê Ferro, Pâmela Butt e Victor Gaúcho falam de sua entrada em um meio que já foi bem lucrativo. E outros nomes como Marcia Imperator e Vivi Fernandez que entraram no meio quase que por acaso, meio que por fama, mas que sinceramente não deixaram a dever em nada em seus filmes.


Pornô dos Outros from Pornô dos Outros on Vimeo.

domingo, 18 de janeiro de 2015

PROSPECÇÃO.

Ninguém te vê.
Só os ventos te penetram.

Ninguém que esteja saciado
Ou faminto
Necessita de ti.

Neste exato sem nome
Reintegra-te à nuvem que passa
E ao canto das aves.

O poeta, já o disse,
É um ser transparente.

Invicto. Desnecessário
Entre porcos, hienas
E outros viventes

Solidariamente incompletos.


Jorge Tufic

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

EU SÓ ESTOU TENTANDO PARTIR SEU CORAÇÃO.


Uma das histórias mais interessantes envolvendo o Wilco é a do disco "Yankee Hotel Foxtrot". Eu sempre me pego pensando nela quando escuto o disco. E eu sempre escuto esse disco. É, eu gosto muito do Wilco, quem passa por aqui já notou isso, e quem convive comigo também. Mantenho sempre uns 3 discos da banda no meu celular e a discografia completa que vivo revisitando no meu notebook. De uns 5 anos pra cá é a banda que mais escuto, e uma das que mais me tocam hoje em dia.

A história do Yankee Hotel ficou conhecida. O Wilco tinha lançado 3 bons discos, era lá para o ano de 2001, 2002 e eles estavam em uma posição em que algumas pessoas diziam que se lançassem um disco de hits, seriam a banda do momento. Qualquer banda entraria nessa, que tal se transformar na queridinha da America? Claro. Eles entram em estúdio, passam meses gravando um disco, diversas versões para algumas músicas, o primeiro disco em que eles fariam tudo, produção, mixagem etc. Meses nisso, eles terminam, mandam pra gravadora que passou meses pagando a banda pelo projeto, e então só silencio. Semanas passam e nenhuma palavra da gravadora sobre. E então o Wilco é despedido da gravadora 24 horas depois que fizeram a primeira audição de Yankee. A história era que a gravadora não achou o disco comercial. E realmente não é. Yankee Hotel Foxtrot é um disco que leva um tempo para ser digerido, até mesmo pelos fãs. Belas melodias, letras incríveis, um disco que fala entre outras coisas em suas microfonias de problemas de comunicação. Ele fala isso quando uma guitarra entra na bateria, quando um vocal de uma música tal entra em outra música. E é preciso de tempo pra digerir isso. Um tempo que parece nos ser cada vez mais escasso. A gravadora devolve então o disco para a banda, eles teriam que refazer. Qualquer banda na posição em que estavam faria. Wilco resolveu não fazer. O disco é esse, tá pronto. Caíram na estrada, sem gravadora, e as músicas misteriosamente foram caindo nos ouvidos do público, que iam aplaudindo. A grande ironia é que meses depois Yankee Hotel Foxtrot foi aceito e lançado por um selo que era ligado à gravadora que despediu a banda anteriormente. A crítica e os fãs adoraram. Um grande disco feito e lançado em um momento único na história da banda.

O Wilco nunca explodiu, nunca ganhou aquela notoriedade prometida. Seus shows lotam com um público fiel a banda, mas é fácil hoje em dia, mais de 10 anos depois dessa história ter acontecido e muitos outros discos terem vindo, muita gente falar; “Wilco? Não conheço”. Principalmente nessa terra onde vivo. Não tem problema. Quem sabe, sabe. Em vez de explodir para um público monstro, se tornar numa banda queridinha da América, o Wilco ganhou todos os pontos com a crítica e público mostrando ser uma das bandas com mais personalidade existentes.

Essa história todo foi acompanhada por Sam Jones, que filmou o processo de gravação de Yankee Hotel Foxtrot e lançou no baita documentário I Am Tring To Break Your Heart. Um documentário que sofreu algumas críticas na época em que foi lançado, mas que ao meu singelo entendimento, me chega como um bom filme, que cumpre muito bem o que promete; mostrar uma banda que veio com os anos se desenrolando como uma grande banda, distante de pequenas polemicas com drogas e coisas do tipo, mas focada naquilo que dever ser, a música. Uma banda que dá importância naquilo que deve dar, numa boa produção musical, na música criada. E essa é uma das razões para essa banda e seus músicos me tocarem tanto. E sempre.

Recentemente lançaram “Alpha Mike Foxtrot Rare Tracks” que são 5 discos apanhando versões ao vivo, em estúdio, lados b´s dês de 1994 até 2014. Também lançaram a coletânea “What´s Your 20? Essencial Tracks” disco duplo com mais de 30 músicas da banda. E por falar em coletânea, aqui uma playlist que fiz só com músicas do Wilco. Abaixo, o filme de Sam Jones.